Apesar de manter a tendência de alta com avanço de 0,6 ponto no último trimestre, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) caiu 0,5 ponto em fevereiro e atingiu 97,2 pontos. É a primeira queda após 8 meses consecutivos de alta. Este é um indicador calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/IBRE).

Entre os destaques negativos do índice de expectativas empresariais está o setor de serviços e a construção civil conforme explicou o superintendente de Estatísticas Públicas da fundação, Aloísio Campelo Jr “Os indicadores de situação atual também recuaram no mês, embora neste caso o setor de serviços tenha sido o único responsável”, disse.

Segundo Campelo Jr., quase toda a coleta de informações para as sondagens de fevereiro foi obtida antes do avanço expressivo do surto mundial de coronavírus, na última semana do mês.

De acordo com a FGV, o Índice de Confiança Empresarial consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela FGV IBRE, que são de indústria, serviços, comércio e construção.

Para a FGV/IBRE, o resultado de fevereiro entre os setores integrantes do índice de confiança foi bastante heterogêneo. Apesar de ritmo menos intenso, a indústria continuou avançando com alta de 0,5 ponto, enquanto no mês anterior tinha subido 1,5 ponto.

Pelo terceiro mês seguido, o comércio avançou devido às expectativas dos empresários, que caminharam em sentido oposto ao aumento do pessimismo observado nos demais setores. Mas a confiança no setor de serviços caiu 1,7 ponto no mês, sendo o único setor que recua na métrica de médias móveis trimestrais. Já a confiança da construção teve queda de 1,4 ponto, depois de subir por sete meses consecutivos.

Para a edição de fevereiro de 2020, foram coletadas informações de 4.356 empresas entre 03 e 21 de fevereiro. A próxima divulgação do índice ocorrerá no dia 31 de março de 2020.