Com a melhora do desempenho do setor demonstrada nos últimos números, empresários do setor, retomam o otimismo de dias melhores.

Segundo dados divulgados pela ABIMAQ - a indústria brasileira de máquinas e equipamentos registrou crescimento da receita líquida de vendas durante o mês de agosto de 2019 quando comparado com o mês de julho de 2019. Em relação ao mesmo mês de 2018 houve  queda de 2% que resultou, mais uma vez, em redução da taxa de crescimento acumulada no ano, desta vez para 1,1%.

Segundo explicações dadas em 2019 a redução das vendas é decorrente da desaceleração das atividades no mercado internacional, uma vez que  no doméstico as vendas de máquinas cresceram 5,9% em relação a 2018

SB 1910 abimaq resumo

Analisando o comportamento do setor em agosto de 2019, o setor fabricante de máquinas e equipamentos confirmou as expectativas e registrou crescimento em relação ao mês de julho puxado pelo bom desempenho nas vendas direcionadas ao mercado doméstico que cresceram 16% no período.

Entretanto as vendas para o mercado externo decepcionou e inviabilizou a superação do resultado alcançado no mesmo mês de 2018 (R$ 7,7 bi). Os dados registrados até o mês de agosto são reflexo da fraca atividade econômica observada neste ano e indicam que as expectativas de crescimento, ao redor do observado em 2018 (5%), não se confirmarão. A revisão do modelo indica um crescimento da ordem de 1% em 2019.

Em agosto de 2019 o setor atuou com 75% da sua capacidade instalada, que recuou 1,1% em relação ao mês de julho/19. A carteira de pedido também continua em níveis historicamente baixos. O setor de bens sob encomenda, cuja carteira girava ao redor de 6 meses, praticamente desapareceu com a ausência de investimentos em infraestrutura do país. O volume de investimentos em infraestrutura está em 1,7% do PIB quando, para se igualar com a média mundial, precisaria ser ao redor de 5% do PIB nacional.