SB_Mkt_Geral




Melhora a receita líquida de máquinas e equipamentos

Após 5 anos consecutivos de queda na receita da indústria de máquinas e equipamentos, que levou o setor a encolher 47% no período, 2018 encerrou com crescimento de 7% em relação a 2017. Esses são alguns dos indicadores conjunturais mostrados em pesquisa elaborada pelo Departamento de Economia e Estatística, da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ).

De forma geral, o crescimento observado nas vendas se deu predominantemente no mercado externo (+7,1%), no mercado doméstico houve relativa estabilidade (+0,3%).

Para o ano de 2019, a expectativa é de manutenção do crescimento na receita total do setor, mas em taxas pouco abaixo das observadas em 2018, ao redor de 5 a 6%, e, puxadas, predominantemente, pela demanda interna, que deve crescer 10%. “No mercado doméstico, a tendência é de recuperação pulverizada em vários setores da economia e, no setor de infraestrutura, caso as medidas propostas venham a se consolidar, os resultados positivos aparecerão somente a partir do segundo semestre”, analisa João Carlos Marchesan, presidente da ABIMAQ. 

Para Marchesan, as exportações que voltaram aos níveis pré-crise, deverão manter suas elevadas contribuições nas vendas do setor em 2019.

EXPORTAÇÕES

O segmento de máquinas e equipamentos encerrou o ano de 2018 com crescimento de 7,1% nas exportações em comparação à 2017. No ano passado, a participação no mercado externo ganhou ainda mais importância e chegou a 47% das vendas, mesmo com a crise econômica pressionando o desempenho de um dos principais parceiros comerciais da indústria brasileira, a Argentina.

O destaque para o forte aumento das vendas externas foi no setor de óleo e gás (+43%), os setores de bens de capital (+12%) e na construção civil (+7,8%). “O segmento de máquinas e equipamentos está sempre entre os maiores exportadores da indústria de transformação, o que evidencia seu esforço em manter seus produtos adequados às necessidades internacionais”, explica Maria Cristina Zanella, gerente do Departamento de Competitividade, Economia e Estatística da ABIMAQ.

IMPORTAÇÕES

As importações também encolheram fortemente desde 2014 e, mesmo tendo crescido 14,6% em 2018, representam hoje quase metade do resultado observado em 2013 (US$ 28,8 bi). “O bom desempenho nas importações de 2018 refletem a recuperação mais intensa no setor fabricante de bens de consumo, mas também à mudança nas regras do REPETRO”, completa Maria Cristina.

EMPREGO

Em 2018, o setor retomou ao processo de contratações após 4 anos consecutivos de redução da mão de obra, e reempregou quase 10 mil pessoas. “A expectativa é que está firme recuperação não seja interrompida ao longo se 2019”, afirma a economista.