Guia_2019

Banner_Adsense_01

 

 

SB_Mkt_Geral




Para os associados do Sicetel, o otimismo está de volta
No ano de 2017 houve uma significativa redução no déficit comercial dos produtos fabricados pelas empresas associadas ao Sicetel.
Segundo dados divulgados pelo Sicetel, os números de comercio exterior no ano passado melhoraram de forma expressiva, resultado, principalmente, da redução do nível de atividade da indústria de transformação brasileira, o que forçou as empresas voltarem-se para o comércio exterior.
O déficit comercial de US$ 144,6 milhões no ano passado representa uma queda de 11% em relação ao ano de 2016, que havia fechado com um déficit de US$ 163,4 milhões. Esta redução é o resultado de uma queda de 9% no déficit comercial dos produtos longos, mas, principalmente, da queda registrada nos produtos planos, que atingiu os 165% e fechou com um superávit de US$ 1,37 milhões.
Quando analisamos os números globais do 4º trimestre de 2017, vis-à-vis idêntico período de 2016, nota-se uma variação, para mais, no déficit comercial desses produtos, de 7% sobre igual período do ano anterior, sendo 35% nos produtos planos e 12% nos produtos longos.

Saldo Comercial

Unid.U$1000

Linhas de Produto

4º trimestre

Acumulado do Ano

2017

2016

Var.

2017

2016

Var.

Planos

6.830

5.059

35%

1.366

-2.096

-165%

Longos

-36.158

-32.350

12%

-146.007

-161.321

-9%

Total

-29.328

-27.291

7%

-144.641

-163.417

-11%

Fonte: Alice MDIC

Frise-se que, em havendo uma taxa de cambio de 3,80/4,00 reais por dólar a mesma estará muito próxima da taxa de equilíbrio industrial e, se mantida neste patamar, poderá ser um instrumento importante para inibir as importações e aumentar as exportações brasileiras.
O desafio que se coloca agora é a estabilização da taxa, redução das oscilações, e de alguma forma, convencer os agentes econômicos de que esse nível de taxa real será mantido ao longo do tempo, pois a perspectiva de uma taxa de cambio competitiva é extremamente importante para um processo crescente de substituição de importações e para a reinserção do produto brasileiro no mercado internacional.
As importações dos produtos fabricados pelas afiliadas do Sicetel caíram 3% no ano de 2017 em relação a 2016, resultado de um acréscimo de 1% nas importações de longos, mas, principalmente, na queda de 13% nas importações de produtos planos.
Importação                                                                                    Unid.: tons

Linhas de Produto

4º trimestre

Acumulado do Ano

2017

2016

Var.

2017

2016

Var.

Planos

13.530

17.333

-22%

71.192

82.126

-13%

Longos

54.211

52.637

3%

204.804

202.037

1%

Total

67.741

69.970

-3%

275.996

284.163

-3%

Fonte: Alice MDIC

No 4º trimestre de 2017, a redução das importações foi, igualmente, de 3% em relação a igual período do ano anterior, resultado do acréscimo de 3% nas importações de longos e da queda de 22% nas importações de produtos planos.
Analisando o comportamento das importações de planos no nível de produtos, no ano de 2017, notamos que somente o produto “tiras de aços inox LF” manteve-se razoavelmente estável (-2%). À exceção dos “perfis” (-38%), todos os demais produtos apresentaram aumento no volume de importação, com destaque para as “tiras de aço carbono e ligados” que aumentaram 52% e as “tiras de aço silício” com 43%.
Em 2017, a importação de produtos longos aumentou 1% em relação ao ano de 2016 e 3% quando comparamos o ultimo trimestre de 2017 com igual período de 2016.
Quando analisamos as importações de longos no nível de produto, tanto no total do ano de 2017 como no seu ultimo trimestre, vemos que todos os segmentos apresentaram aumento nas importações em relação ao mesmo período do ano anterior, à exceção dos “arames e fios de aço carbono e ligados” a as “correntes de elos soldados”.
As exportações no ano de 2017 caíram 3% em relação a 2016, resultado de uma queda expressiva, de 10%, nas exportações de produtos planos, não compensada por um crescimento de 10% nas exportações de produtos longos.
No último trimestre de 2017, em comparação com o mesmo período de 2016, as exportações aumentaram 1%, resultado de um forte crescimento nas exportações de longos, que registrou 19% de acréscimo em relação ao ano anterior.

Exportação

Unid: t

Linhas de Produto

4º trimestre

Acumulado do Ano

2017

2016

Var.

2017

2016

Var.

Planos

62.220

67.844

-8%

212.249

235.989

-10%

Longos

41.653

35.114

19%

150.663

137.123

10%

Total

103.873

102.958

1%

362.912

373.112

-3%

Fonte: Alice MDIC

Quando analisamos o comportamento das exportações de planos no nível de produto, no ano de 2017, vemos que os produtos “tiras de aço inox LF” aumentaram significativamente as suas exportações (36%), enquanto que todos os demais produtos apresentaram redução em suas vendas externas, conforme mostrado no quadro abaixo.

Exportação

Unid: t

Produtos Planos

4º trimestre

Acumulado do Ano

2017

2016

Var.

2017

2016

Var.

Tiras de aço carbono e Ligados

2.119

2.372

-11%

8.718

9.066

-4%

Tiras de aço silício

132

350

-62%

919

1.662

-45%

Tiras de aço Inox LF

299

214

40%

2.249

1.654

36%

Perfis

59.662

64.822

-8%

200.309

223.229

-10%

Serra para corte de pedra

8

86

-91%

54

378

-86%

Total de Planos

62.220

67.844

-8%

212.249

235.989

-10%

Fonte: Alice MDIC

Igualmente, no último trimestre de 2017, os produtos “tiras de aço inox LF” apresentaram forte incremento de suas exportações (40%), enquanto que os demais produtos tiveram sensíveis reduções nas suas vendas externas.
Por outro lado, o comportamento das exportações de longos, no nível de produto, foi diferente, de produto para produto, tanto no acumulado do ano como no quarto trimestre de 2016, com queda nas exportações de algumas linhas de produto (a exemplo dos cabos de aço e telas metálicas) e aumento em outras, com destaque para os clipes e ferragens para escritório e para as barras acabadas a frio.
Exportação
Unid: t
Produtos Longos
4º trimestre
Acumulado do Ano
2017
2016
Var.
2017
2016
Var.
Barras acabadas a frio
9.960
6.669
49%
34.207
26.957
27%
Arames,Fios de aço carbono e ligados.
17.241
14.375
20%
64.146
56.306
14%
Cabos e cordas de aço não isolados
9.367
9.637
-3%
33.207
34.242
-3%
Arame farpado
1.830
1.397
31%
6.723
6.147
9%
Telas Metálicas
3.212
2.779
16%
12.114
13.255
-9%
Correntes de elo soldados
14
34
-59%
80
80
0%
Clipes, ferragens para escritório
29
39
-26%
186
136
37%
Total de Longos
41.653
34.930
19%
150.663
137.123
10%
Fonte: Alice MDIC