Banner Superior 2

Banner_Adsense_01

capaGC2017
Tubos 2017

SB_Mkt_Geral


Partindo da premissa de que o controle efetivo dos custos impacta diretamente na sua competitividade perante os seus concorrentes, aqui vai uma pequena amostra do que pode ser feito para obtenção de resultados imediatos.
 
Moisés Bagagi*
 
Existem três preocupações que norteiam as decisões nas empresas, sendo que todas elas podem e devem ser gerenciadas. Vendas, custos e concorrência. Porém, em momentos desafiadores como o atual cenário econômico brasileiro, os custos tornam-se prioridade nas discussões empresariais.
Ter os custos sob controle – e no menor nível possível – é uma vantagem competitiva sobre os concorrentes. Contudo, é possível reduzir os custos no curto prazo? Existe alguma receita? É fácil de ser feito?
Não é fácil, mas pode ser feito a curto prazo. Não existe uma receita, já que cada empresa tem suas características, cultura e necessidades. Contudo, proponho cinco passos que podem ser aplicados em todos os negócios. Vamos a eles:
  • Conheça – muito bem – os custos da sua empresa: é obvio, mas muitos gestores não tem conhecimento dos custos da empresa. Ter uma vaga ideia, feeling ou qualquer “achismo” não é suficiente. É preciso que, cada gestor tenha profundos conhecimentos dos custos que movem suas áreas e quais os impactos que eles causam nos produtos, nos resultados e na competitividade da empresa.
  • Classifique os custos: uma das atividades mais importantes do trabalho que o cliente não vê é a classificação dos custos. Fixos, variáveis, diretos e indiretos, os custos afetarão os preços e os resultados. Mais do que isso, é preciso saber qual o nível de prioridade de cada custo.
  • Adote uma metodologia de custeio: para tudo o que se faz em uma empresa é preciso adotar um modus operandi. A metodologia guiará o que se deve fazer, como e quando. Isso evita que cada um faça um controle à sua maneira. Padronizar a gestão de custos é fundamental. Dois dos mais comuns é o custo padrão e o custo ABC. Independente da metodologia, deve se ter uma.
  • Agir: após conhecer os custos, classifica-los e adotar um método para sua gestão, é preciso agir. Renegociação com fornecedores, terceirização de atividades, renovação de contratos, revisão de processos (inclui logística, viagens, serviços) e combate a desperdícios ajudam a reduzir os custos.
  • Controle: já é senso comum que os custos são como as unhas, e por isso, devem ser cortados frequentemente. Controlar os custos não é fácil, ainda mais que, parece ser uma atividade que agrega pouco valor. O orçamento empresarial é a ferramenta ideal para o controle de custos. Acompanhar mês a mês o que se realizou em relação ao que se orçou é fundamental. Evita surpresas desagradáveis, evita desperdícios e agrega valor ao negócio, já que com os custos sob controle, a empresa tem mais margem de manobra, independente do momento econômico ou dos movimentos da concorrência.
Portanto, o controle de custos ajuda a empresa a se manter enxuta e competitiva. Um bom controle ajuda, em pouco tempo os gestores a tomarem decisões mais assertivas e com menor risco.
*Moises Bagagi é economista, com especialização em gestão financeira e planejamento tributário, com MBA em Finanças pela FIA/USP. Atua há mais de dez anos em planejamento estratégico e financeiro. É docente em economia e administração financeira, ministra palestras nas áreas de planejamento, gestão de negócios, empreendedorismo e educação financeira.
É CFO da M2BS (www.m2bs.com.br) e sócio-diretor da Consultoria Opportunity (www.copf.com.br). br.linkedin.com/in/bagagi
Nota: A Grips, ampliando seu raio de ação, está atuando na área de consul­toria de gestão e o professor Moisés é um dos titulares.